Confira como foi a participação da ABEC-PR na SOEA

28-08-2014 15:35

A Associação Brasileira de Engenheiros Cartógrafos - Regional Paraná (ABEC-PR) esteve na 71ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (71ª SOEA), que aconteceu de 12 a 15 de agosto em Teresina (PI), representada pelo seu diretor financeiro, Eduardo Freitas, para participar dos debates e apresentações que reuniram as mais importantes autoridades nacionais e internacionais da área tecnológica. Ao todo, foram 3,8 mil participantes - entre profissionais, pesquisadores e estudantes - que tiveram à disposição, além de palestras, o que há de mais inovador na produção acadêmica brasileira. 
 
Na terça-feira (12/8) aconteceu a abertura da SOEA, com a presença da diretoria do CONFEA, as autoridades locais e os homenageados da noite. Na manhã do dia 13 de agosto, a palestra de abertura foi “Educação aberta, flexível e a distância: Desafios, oportunidades e futuro na formação do Engenheiro e prática da Engenharia Global”, com auditório praticamente lotado. A palestra principal foi de Jorge Nei Brito, da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), que deu um show de conhecimento e afirmou categoricamente que o ensino é feito com tecnologia do século XXI, professores do século XX e metodologia do século XIX. Para ele, é importante implantar uma “cultura da mudança” e, acima de tudo, preocupar-se com a evolução da didática, que são as técnicas e métodos de ensino, na qual os alunos aprendem a partir da interação entre os pares, e não mais através do recebimento passivo de informações repassadas pelos professores.
 
Para debater os temas levantados por Jorge Nei, participaram do painel: Cláudio Jorge Pinto Alves (ITA); Luiz Roberto Curi (MEC); e Heitor Gurgulino Souza (WAAS). Eles citaram algumas tendências na educação atual, como o uso da computação e dados em nuvem, feedback automatizado (computadorizado), dados e conteúdos abertos, e por fim os MOOCS (Cursos Online Abertos e Massivos, do inglês Massive Open Online Course). Cláudio comentou sobre a grande taxa de evasão nos cursos de engenharia, mesmo no ITA. Por sua vez, Luiz Roberto falou que, hoje, somente 4% dos cursos de engenharia são a distância, um número ainda baixo e com grande potencial de crescimento. Já Heitor falou sobre aprendizagem aberta, flexível e a distância e suas variações – hands-on, PDL (aprendizado baseado em solução de problemas) ou híbrido – e deu vários exemplos de boas práticas, como o Veduca, Universidade Aberta da Espanha, Wunicon, entre outros.
 
No dia posterior (14/8), o painel sobre “Mudanças na Formação do Engenheiro na Sociedade do Conhecimento” foi apresentado por Lueny Morell, pró-reitora da New Engineering University (NEU), no Vale do Silício, Califórnia, que abordou muito do que foi falado no dia anterior, sobre novas metodologias e técnicas de ensino, mas principalmente sobre um rompimento radical com a forma antiga de ensino. Ela mostrou o curso de mestrado em Big Data na NEU e afirmou que a aproximação das universidades com a indústria é considerada fundamental. Segundo ela, para acontecerem essas mudanças é necessário haver um esforço muito grande, não somente das instituições mas também das nações para obter o desenvolvimento econômico.
 
Para debater o tema estavam presentes José de Arimateia Dantas Lopes (UFPI); Luiz Gustavo Delmont (CNI); Marcos Formiga (UnB e Ministério da Ciência e Tecnologia); e novamente Heitor Gurgolino de Souza. Luiz Gustavo apontou a existência de 176 mil vagas nas engenharias, com pouco mais de 104 mil egressos e 53 mil concluintes, o que demonstra uma grande taxa de evasão. Para Marcos, “o problema não é o ensino, mas a aprendizagem”, e por fim todos os participantes da mesa concordaram sobre a valorização de “soft skills”, tais como iniciativa, inovação, empreendedorismo, além do conceito de life-long learning (aprendizado ao longo da vida) na engenharia.
 
 
Ainda na quinta-feira, a ABEC-PR esteve representada na reunião da Coodenadoria de Câmaras Especializadas de Engenharia de Agrimensura (CCEEAGRI), na qual foi definida a pauta da reunião ordinária que será realizada de 17 a 19 de setembro em Goiânia (GO), e também na reunião da Federação Nacional de Engenheiros Agrimensores (FENEA), com a presença do seu presidente Joseval Costa Carqueija, que comentou sobre o Congresso de Agrimensura, Cartografia e Geografia que será realizado dias 13 e 14 de novembro em Presidente Prudente (SP) e sobre a necessidade de união desses profissionais. O coordenador da CCEEAGRI, Francisco Sales Vieira, falou sobre novo marco regulatório de cursos de pós graduação latu sensu, que deve melhorar a qualidade de cursos de geo. Também estava presente na reunião o reitor do Instituto Federal do Piauí, Paulo Henrique Gomes de Lima, que é Engenheiro Agrimensor. Carqueija comentou sobre participação da FENEA no INTERGEO, na Alemanha, e sobre a realização do Congresso Brasileiro de Agrimensura em abril de 2014 na Bahia. 
 
Além da participação nas palestras e reuniões, o diretor da ABEC-PR visitou todos os estandes dos CREAs e Colégio de Entidades Nacionais (CDEN) para apresentar a Associação.
 
Eduardo Freitas, diretor da ABEC-PR
 

 

Voltar

Contatos

© 2015 Todos os direitos reservados.

Crie o seu site grátisWebnode